O tema “Dia de Escola”, faixa 6 do álbum de estreia de Puro L – “Último Mortal” – ganha agora um formato videoclip, no trabalho da Sublime Films.

Puro L: Facebook | Instagram | Booking

Letra:
“Abre-me a porta mãe ‘tou a chegar, trago da escola coisas pra contar
cá pra mim já sabes, porque a diretora de turma avisou-me que te ia ligar
parou a aula pra me enxovalhar à pala da roupa que eu ando a usar
e porque hoje trouxe um anel do chinês e a chapa ao pescoço posta num colar
Quer ficar a par das companhias, se no intervalo eu ando no Sameiro
a apanhar beatas, mas eu fumar um cigarro, tá pra chegar o primeiro
penso pra mim, o melhor que fazias era dizer isso a frente de um espelho
que deves ter começado nesta idade e hoje dás aulas com bafo a cinzeiro
Baggy jeans e o cabelo à Zé Milho foi tudo aquilo que arranjaram pra apontar ao teu filho
tenha cuidado que ele é fino, mas mantenha-o no trilho, porque a julgar pelo aspeto ‘tá metido em sarilho
querem falar de mim vou dar um motivo, comecei a pintar paredes da cidade onde eu vivo
sair pela rede éne vezes com lata, hoje rio-me da porcaria que fiz pra preencher o vazio
O meu desenho acho lindo e é feio, como bazar do recreio sem que na escola eles vejam
Na verdade, foi assim que ganhei, ainda que à margem da lei, a minha primeira HipHopNation
Quem diria que dos gunas ouviria lições de vida além de mocas e de blocos de notas
com a vertente educativa que até aqui me traria aquela mensagem positiva dos Dealema ou do Nokas
Abre-me a porta mãe ‘tou a chegar, trago da escola coisas pra contar
cá pra mim não sabes, porque a diretora não tem um motivo para hoje te ligar
a não ser que fosse a dar os parabéns pelo crescimento do filho que tens
os prémios que ganha com aquilo que escreve, as notas que tem, ficava-lhe bem mas…
fica a pensar que a minha evolução teve o seu contributo (na…)
figura de estilo, semântica e métrica foi tudo fruto da
rotina constante a consumir rap que ela censurou
foi la que busquei identidade que ela ao me julgar quase me roubou, mas…

[refrão]
Sinto que vou buscar aquilo que é meu
Sei de quem já há muito que me esqueceu
Vejo que há um pouco de mim que lá morreu
E hoje é o dia de eu levantar o véu

Abre-me a porta mãe ‘tou a chegar, vai-te parecer que ‘tou a alucinar
juro que vi o futuro num sonho em que a arte era a forma do homem se salvar
fonte em que a mente se pode banhar, espaço prá alma revitalizar
a sala de espelhos, em que um homem nu se fica a conhecer num olhar singular
Espera um pouco, deixa acabar que isto é arte em bruto, estou-me a lapidar
ninguém leva a sério o que eu falo, preciso de alguém a quem possa mostrar
sei que pra já são rimas em ar, mas se eu paro agora vou ficar sedado
vivo no quarto a rimar palavras e no fim do dia ainda acabo gozado
Enfiado num sistema de ensino que vandaliza quem ensina e espera ver-me no cimo
tiram-me as bases só pra ver se eu me auto disciplino por isso escrevo o que sinto e decoro aquilo que rimo
Depois de 10 anos a comer calado dentro do quarto fechado eu continuo a dar na música
a única forma de passar o que penso como passaram a mim e fazê-lo de uma forma lúdica
Mãe hoje dizem que o teu filho é crescido e quando apareço de gravata já não vêm defeito
quem diria que o miúdo com o futuro tremido entrava numa faculdade pública de Direito
vim cá ver de que é que o país é feito…grandes artistas!
génios, cobardes, homens de verdade, amigos, porcas e chupistas
Tranca-me a porta mãe vou chegar tarde, abre-me a porta mãe que eu já cheguei
tentei fugir, fazer de novo, esquecer o rap, acho que falhei
e eles dizem que vale mil palavras a imagem, só que imagem não define ninguém
eu fico para a ouvir a mensagem e comparar com a imagem que ela tem
betos e cromos, dreads e gunas dão pelos nomes que a gente lhes dá
e o dread que sonha fortunas é o beto que rouba trocos de amanha
E eu ‘tou na rotina constante a fazer o som que ela censurou
é la que busco a identidade que ela ao me julgar quase me roubou mas…

[refrão]”

MÚSICA:
Letra, captação e edição por: PURO L
Instrumental por: Kron Silva
Mistura e Masterização por: Carlos Ferreira @ BitSound Studio

VÍDEO:
Realização: Sublime Films
Imagem: Tiago Teixeira / José Vieira / Rui Campos
Actores: Renato Duran / Diogo Rei
Com o apoio de: Fernando Pereira

 

Leave a Comment