Texto por Paulo Silva

Scorp, rapper de Caldas da Rainha, conta já com três projectos nas ruas: Mixtape “2500FM” (2012), e os álbuns “Apontamentos” (2015) e “UMPORUM”. Este último foi lançado em Junho deste ano e conta com a participação de Stereossauro em quase todas as faixas. A mistura e masterização ficaram ao encargo de Razat na Crate Records. Já o artwork, foi realizado por Splinter.

Capa – UMPORUM

Iniciei esta análise referindo que Scorp contava já com três projetos nas ruas. No entanto, é alguém ainda pouco reconhecido no panorama nacional, mas que, com este novo projeto, parece estar finalmente a receber os devidos créditos e atenção. O rapper de Caldas tem um enorme potencial, e este álbum é mais uma (talvez até a maior) prova disso. Ao longo dele podemos ver, sem qualquer dificuldade, a essência do Scorp. Um estilo simples, que engana muitos, uma vez que se limita a rimar tudo o que vive, pensa e observa. Nada mais, nada menos. Rap de rua no seu estado mais puro. Sujo, duro, cru e real. E o mesmo não esconde isso. Aliás, na primeira música tudo isto é comprovado com alguns versos cuspidos pelo rapper. Em “Só Quero” podemos ouvir: “Se queres saber a minha história, a minha rima conta”. E ainda: “Eu sou aquilo que sou, depende dos dias. Tristezas e alegrias criam estas poesias”. Dois versos que contam o que podemos esperar de Scorp.

Scorp – Só Quero

E o melhor é que Scorp não se prende ao que este tipo de estilo oferece. O rapper de Caldas demonstra capacidade de variar e criar outro tipo de músicas. O mesmo é comprovado em “Às Vezes”. Música que fala de um relacionamento complicado, com um refrão soberbo por parte de Beatriz Silva. Um tema completamente diferente do resto do álbum, mas igualmente bom.

Scorp X Stereossauro – Às Vezes (feat. Beatriz Silva)

Saltei da primeira faixa para a décima segunda. No entanto, vamos regressar ao tema dois. É nele que vemos a primeira participação de Stereossauro. Nome já muito conhecido no panorama nacional e internacional. Bi-campeão mundial no IDA World DJ Championships enquanto BeatBombers (DJ Ride e Stereossauro).  E como se não bastasse lançou o primeiro álbum de BeatBombers este ano (para quem ainda não ouviu, ouçam, não se vão arrepender).

beatbombersBeatBombers – IDA World Champions 2016

Mas voltando ao tema dois do “UMPORUM”, podemos ver desde logo o que o Stereossauro veio trazer a este álbum. Experiência e referências. Parece pouco dito desta forma, mas garanto que é incrível ouvir cada tema com um scratch do Stereossauro juntamente com referências escolhidas de forma genial. É o toque final naquele rap de rua do Scorp, adicionando grandes referências que encaixam na perfeição em cada música. A prova da qualidade desta junção de estilos é o número de pessoas que a faixa “Não Há Remédio” já alcançou.

Scorp X Stereossauro – Não Há Remédio

E toda esta qualidade é prolongada pelo álbum. Predominando o punchline, mas havendo espaço para criticas, reflexões e conselhos. Talvez seja pelo facto de Scorp conseguir aplicar este estilo duro e cru noutros temas, que não o punchline, que está a receber o devido reconhecimento e atenção.

Ouvir álbum “UMPORUM”

1 Comment Leave a comment

Leave a Comment