Texto escrito por Francisco Ribeiro
Revisão de texto por Elisabete Ribeiro
Fotografias gentilmente cedidas por Andreia Peixoto/Rap Notícias

10 de Março 2017
@Café au lait, Porto

Um dos maiores génios líricos deste século esteve nos dias 10 e 11 de março no norte do país. Nerve, mais experiente e com “malhas novas”, passou pelo Porto e por Barcelos apontando mais dois concertos inesquecíveis. Café Au Lait foi o espaço escolhido para o concerto na invicta, que se encontrou esgotado tal como foi anunciado pelo artista nessa tarde.

O H2T não podia deixar de falar com o sacana nervoso e, momentos antes de o espetáculo começar, Nerve respondeu a algumas perguntas. Era certo que “Deserto” (música lançada em Fevereiro deste ano) seria um assunto de conversa. Tiago Gonçalves não esconde que prevê lançar um EP este ano que poderá (ou não) conter o seu mais recente tema.

Henrique Sotero e “Funeral” estiveram também em cima da mesa. Para quem ainda não viu uma das mais improváveis (embora excecionais) duplas de 2016, terá oportunidade de o fazer num futuro próximo. Nerve afirma que sempre que possível irá dividir o palco com o justiceiro Mike El Nite e, quem sabe, poderá surgir mais projetos entre estas duas afirmações do hip-hop português.

Sobre trabalhos anteriores e que certamente é do interesse de todos os fãs que ainda não puderam agarrar um disco, Nerve gostaria de reeditar os seus dois álbuns. Esta possibilidade já tinha sido discutida numa entrevista de 2015, e ainda que em momentos diferentes, é possível que se cumpra a já antiga aspiração.IMG_7322

Café Au Lait não é um local novo para o sacana nervoso. A ansiedade de uma casa cheia acabou quando, ironicamente, “Deserto” foi interpretado pela primeira vez ao vivo. Seguiram-se inúmeros temas que nos permitem, sem sombra de dúvida, afirmar que a vida presta enquanto Nerve existir na cultura. Um artista pleno. Tendo tanto de qualidade musical como de sarcasmo é impossível não ficar rendido depois de atuações onde nem “as vénias cósmicas” chegam para adular esta lenda underground.

Numa noite onde temas dos demais trabalhos se fizeram ouvir, Nerve presenteou-nos com dois Acapellas de uma qualidade infindável onde a voz do monstro (social) ecoou em toda a sala. Houve ainda tempo de regressar à compilação “Palha, Paus e Pérolas 2005-2012” em que “Acena” foi interpretado com Blasph, que veio também na carruagem até ao Porto. Não podia faltar o momento “Lamechas” da noite onde “Pobre de Mim” e “Nós e laços”, músicas de reflexão sobre relações (des)amorosas, foram absorvidas pela plateia. Também as suas barras na nova música com Mike El Nite “Funeral” foi um bom momento da noite. Não podia faltar “Trabalho & Conhaque” ou “A Vida Não Presta & Ninguém Merece a Tua Confiança” que apareceu em peso. Entre as mais conhecidas, “Subtítulo” parecia ser a que ia encerrar aquela noite. Porém, o público puxou Tiago Gonçalves de volta ao seu meio para mais três músicas: “´98”, “Gainsbourg” e “Água do bongo”.IMG_7194

A noite não podia acabar sem que antes fosse cumprida a promessa do artista vender os seus desenhos. Esta vertente sempre fez parte da vida e, como avançado ao H2T, Nerve pretendia (naquela noite), pela primeira vez, ligar a arte da música à arte do design. Por um preço de 5 euros cada desenho, as 40 cópias voaram nesse fim-de-semana.

Nerve já é uma perola do hip-hop e, em jeito de “promoção barata”, esperemos que retire mais “água do bongo” porque com ímpeto, “trabalho e conhaque” a vida não presta.

Texto escrito por Francisco Ribeiro
Revisão de texto por Elisabete Ribeiro
Fotografias gentilmente cedidas por Andreia Peixoto/Rap Notícias

 

Leave a Comment